Washington D.C.

domingo, 3 maio, 2009

No final de semana passado fui para Washington, visitar a Mayra, uma grande amiga da Polytechnique. Assim como eu, ela está fazendo um estágio, mas o dela é na Embaixada Francesa.

Viajei com umas empresas de ônibus chinesas que são estranhamente bem mais baratas que as outras. Já havia tentado no final de semana anterior, mas o ônibus atrasou tanto, e aparentemente ainda ia atrasar muito mais, que eu acabei desistindo. Essa vez o ônibus também atrasou, mas foi só uma hora.

O sábado foi o dia de turista. Passamos o dia andando a pé e atravessamos a cidade inteira. Vimos a Casa Branca, o Washington Monument, o Capitólio e boa parte do que estava no meio do caminho, que foi muito quente e ensolarado. Essa região central de Washington tem várias coisas interessantes, como vários dos museus da Smithsonian Institution, que são todos de graça! Entramos apenas em dois, no National Museum of American History e no National Museum of Natural History. No primeiro a gente só passou pela parte de ciência mesmo e parecia uma versão museu da Super Interessante. O segundo eu achei muito legal, mas, diga-se de passagem que, apesar de já ter viajado bastante, ainda não havia entrado em um museu de história natural (shame on me).

A gente na frente da Casa Branca, ou melhor, na frente da fachada norte

A gente na frente da Casa Branca, ou melhor, na frente da fachada norte

Na verdade o melhor desse dia foi quando, morrendo de calor, passávamos pelo Jardim de Esculturas da National Gallery of Art e vimos uma fonte rodeada de gente sentada com os pés dentro d’água. Fizemos o mesmo lógico.

Comecei o dia seguinte acompanhando a Mayra com algumas coisas que ela precisava fazer até que, de tarde, fomos no National Zoo que, também sendo Smithsonian, foi de graça. Novamente foi um dia inteiro andando debaixo do sol quente.

Foi ótimo ficar passeando dois dias como turista, algo que eu ainda não fiz aqui na Philadelphia (sem a câmera e sem companhia não dá nem vontade), mas o melhor foi reencontrar a Mayra, conversar, dar umas boas risadas, assistir televisão (finalmente assisti Gênio Indomável!), etc. Foram dois dias de férias de verdade, em um final de semana. O ruim foi pegar o ônibus segunda de manhã e ir direto pro estágio.

Outras fotos no meu flickr.

Anúncios

JSP + sem tempo

quinta-feira, 22 janeiro, 2009

No final de semana da semana passada foi o JSP desse ano. JSP é um final de semana de ski organizado pela Polytechnique, mas tenho impressão que é algo comum aqui pela França. A nossa vizinha, a SupOptique, por exemplo, organiza uma semana de ski. Logo que voltamos, postei aqui um post que já estava pronto (a tirinha que vocês podem ver abaixo). A idéia era conseguir uns três ou quatro dias para escrever calmamente sobre a viagem, como eu fiz no ano passado, mas acabou aparecendo um monte de coisas para fazer e não tive tempo! E ainda não tenho direito, então vai só um resumo mesmo.

Essa vez a viagem foi para Valfréjus, que era bem menor que a estação do ano passado. No primeiro dia já me estabaquei de cara em uma pedra. Apesar da porrada ter sido grande, só fique com um cortezinho na testa (por baixo do gorro), um pouco de dor de cabeça e um pouco de medo! Acho que por isso eu fiquei esquiando com muito mais cuidado que no ano passado. Acabei esquiando bastante sozinho nos três dias. Mesmo tendo quebrado minha câmera antiga no JSP anterior e a minha atual ter jeito de ser muito mais frágil que a outra, ainda tive coragem de esquiar um pouco levando a câmera, e, por incrível que pareça, ela ainda está funcionando.

Pit Stop

quarta-feira, 13 agosto, 2008

Estou fazendo um pit stop em Paris, depois de passar por Veneza e Münich! Um mal entendido no preço da reserva fez eu mudar os planos na última hora. Viagem improvisada é assim mesmo…

No trem até Veneza deu para dormir bem, depois de passar umas duas horas conversando com um cara da Moldávia e no final da conversa descobrir que ele era fisíco e ia fazer Ph.D. no Japão. Cheguei em Veneza cedo e descansado. Passei horas e horas andando, cheguei a ver o final de duas missas domenicais, etc. A cidade realmente merece a fama que tem. Preciso voltar lá um dia, com câmera e dinheiro de sobra.

Graças a maravilha que é o sistema ferroviário italiano, foi impossível ir para Budapest, que era o planejado, ou ir para qualquer lugar no leste. Aliás, foi difícil ir para qualquer lugar! Praticamente a única opção que eu tive foi ir para Münich, o que também foi uma novela. As informações que eles davam nunca batiam.

O trem noturno estava bem cheio, sendo que no trecho dentro da Itália tinha um monte de gente em pé. Cheguei em Münich umas 7 da manhã e não tive dificuldade de achar um albergue barato que me deixou tomar um banho antes do check-in, que era só as 4 da tarde.

Perguntei no tourist office que lugares eu devia visitar estando dois dias em Münich. Fui em quase tudo que ele disse antes do check-in. Finalmente fui tentar compensar um pouco da noite muito mal dormida e achei um brasileiro, piloto de avião, viajando sozinho também. De noite fomos no Hofbräuhaus tomar uma cerveja.

No dia seguinte fui no Deutsches Museum, que o brasileiro e o cara do tourist office tinham me indicado. Ainda bem que eu fui sozinho, sem muito tempo e ainda entrei um pouco antes da hora do almoço! Se tivesse entrado lá com outras pessoas da Polytechnique acho que não saia mais nunca!

Depois disso só deu para dar uma volta pelo Olympiapark, uma passada bem rápida no museu da BMW e mais uma voltinha pelo centro da cidade antes de pegar mais um trem noturno, essa vez de volta para Paris. Agora o plano é: amanhã Arras; depois mais um dia em Paris; depois Berlin.

Propera Parada

sábado, 9 agosto, 2008

Depois de três dias em Viena (na Áustria), onde eu já havia estado no ano passado, os três resolveram ir para Bratislava passar uma noite. Eu não queria voltar lá (pois é, também já estive lá) e também queria economizar com albergue, então resolvi partir para o plano alternativo dos trens noturnos, i.e., economizar duas noites de albergue e conhecer uma cidade nova em um dia. Daqui não haviam muitas opções. Depois de eliminar lugares que eu já fui e lugares que eu nunca ouvi falar e não parece ter absolutamente nada, me sobraram duas opções.

A primeira e bastante conhecida: Veneza. Sozinho, sem câmera, com um dia apenas e com a certeza de que vou ter outras oportunidades de ir para Veneza, preferi a outra opção: Beograd (Belgrado), a capital da Sérvia.

Depois disso eu os reencontro, se tudo der certo, em Budapest (na Hungria), onde eu também já estive.

E agora José?

terça-feira, 5 agosto, 2008

Não, não é uma brincadeira com um dos leitores do blog. Ou talvez até seja. Estou definitivamente de férias. De volta à Paris pois com o tanto de coisa que eu tinha levado para Marseille não tinha como seguir viagem direto. E agora, para onde ir?

Pouco antes de voltar, descobri que tinha alguns bixos aqui fazendo um pit stop entre uma viagem e outra. Detalhe, eles não tinham a menor idéia de onde ir. Cheguei, discutimos um pouco e decidimos: Vamos comprar o bilhete interrail e vamos pro leste para onde tiver albergue. O grupo: Eu, dois brasileiros e um chileno. Compramos o interrail na estação e resolvemos fazer logo a reserva do trem. Destino escolhido: Bern, a capital da Suíça (na verdade tentamos Zürich mas não tinha para trem com vaga para o dia seguinte).

Chegamos em casa e fomos tentar reservar o albergue (para ver como o planejamento começou bem!) e nada de encontrar vaga pela internet. Depois da emoção inicial, liguei para lá e consegui vaga. Por causa do preço, ficaremos só uma noite. Depois disso não tenho idéia para onde iremos.

Para complicar, de alguma forma eu tenho que chegar no dia 14 em Arras, aqui na França, para ir no show do Metallica. Obviamente não tem mais lugar em albergue há um bom tempo (e eu procurei!).

ps: Esqueci minha câmera em Marseille.